Passaram por aqui ... ;*

segunda-feira, fevereiro 06, 2017

O barco, o mar e a amizade.

Amizade é mar aberto, desconhecido onde se resolve navegar.

É enfrentar ventos fortes,  ondas que balançam e as vezes nos faz naufragar.

O que são nossas amizades se não histórias para se contar? Do sol que se pôs, dá tempestade anunciada e/ou repentinas? Amizades são caminhos trilhados lado a lado que tantas vezes se dissolvem, se desfazem, se desviam e as mais firmes, mais leves, mais sinceras, duram até o fim, ainda que o fim não seja nosso. 


O fim do mar muitas vezes não é visto.

Ele existe?

Amizade é aventurar-se em baixar sua âncora sem conhecer o porto  e as vezes ser o próprio porto.
É ver outros serem levados pelo vento sem poder ajudar,  afinal você é capitão do seu próprio barco. 

É aceitar conhecer outro barcos que por tanto tempo navegaram sozinhos, ancoram e navegam ao seu lado como uma frota. 

Cada barco se reporta em seus portos, se guardam se amparam, se descarregam, se recarregam, abastecem e se preparam para a nova partida. 

Nossas amizades são caminhos "caminhados" juntos. 
E algumas vezes desfeitos pelo tempo, pelas ondas, pelos ventos e todos esses fatores para bons marinheiros são experiências .

Cada um de nós devemos hastear nossas velas,  organizamos nossa tropa, posicionamos nosso prumo e seguimos nosso caminhos há de nos acompanhar sempre aqueles que estiverem dispostos a enfrentar o mar aberto que é nossa vida. E cabe a nós sermos firmes sempre dispostos a convivermos com nossos amigos, lutar por eles e algumas vezes os deixar ir.

Amizade é mar, é barco, é porto e principalmente, âncora!


Por: Bianca Reis e Raiza Oliveira, que navegam juntas em uma amizade sem fim, nem começo 💚
P.S.: Idealizadora do tema e da estrutura Rai, escreve mais vezes 🙏🙏🙏

sexta-feira, dezembro 30, 2016

Reconhecendo nosso termino (com amor) ♡

Eu estava preparada para reclamar deste ano que está acabando.
Daí, eu fui procurar saber o que eu fiz ou que aconteceu de tão ruim para eu reclamar na internet e pedir para esse ano cheio de tragedias (que não foram tão mais tragediosas que a dos anos anteriores) acabar logo e xingar fazendo gracinhas cyberneticas.
Olhei foto por foto.
Tentei lembrar do máximo de coisas que eu fiz durante o ano.
Olhei, inclusive, as fotos que não postei, mas guardei na minha galeria.
Encontrei umas foto dos meus períodos de prova (sim, eu tiro foto de mim durante a semanas de prova para ter certeza de que eu sofri para car&*¨$# e não foi exagero de estudante), eu lembrei que eu chorei para caramba. Chorei pela faculdade, chorei por algumas pessoas que me magoaram muito, chorei porque eu segurei muito ódio para parecer sensata, para parecer racional, inteligente e madura, chorei pela faculdade (eu ja disse que eu choro bastante por causa da faculdade? Não? Então,  eu choro bastante kkkk), chorei de saudade, de insegurança, de medo, de tristeza, de solidão (Uhum, nem sempre ter muitos amigos é estar acompanhada)...
E no meio disso tudo, eu comecei a lembrar que eu fiz muita coisa.
Eu alcancei muitas das minhas metas. Aquelas que eu escrevi dia 31 de Dezembro, em um quarto de hotel, em Aracaju-Se em 2015.
Eu queria cantar: E cantei.
Eu queria dançar: E dancei.
Eu queria me sentir mais "engenheira": E consegui estagiar (em um ano muito difícil para o mercado)! Entrar para Empresa Junior da Universidade e realizar um evento de 5 dias voltados só para engenharia civil 😮👷
Eu pedi para Deus, para conhecer boas pessoas: E eu conheci (muitaaaaaas ♥)
Eu pedi para sentir uma coisa ingenua e doce por alguém: E eu senti.
Eu fui muito mais confiante em quem eu sou (siiiim, muito mais), acreditei em mim mais do que nunca.
Eu fiz de 2016 o ano mais leve na minha personalidade, porque eu simplesmente fui.
De havaianas e boné, eu fui.
De vestidinho e salto, mas eu fui.
Eu deixei de ser politicamente correta para ser: EU, fazendo o que EU, tive vontade.
Não, eu não tenho do que reclamar, falar por falar não adianta. Recomendo a todos certificarem se não estamos apenas massacrando alguma coisa só por sabermos que ela está indo embora e já ''não há mais tempo".
Talvez devamos ser mais observadores, gratos, atentos... intensos.
Essa é a nossa vida. Choramos ao mesmo passo que conquistamos.
Viver é isso. Sorrir e chorar (e continuar).
Feliz 2016.
Mais feliz em 2017.
FELIZ ANO NOVO. FELIZ TUDO NOVO!!!
Aaah, ainda da tempo, viu? Sempre existe tempo. Feliz recomeço (com amor) ❤♡💚


Por: Bianca Reis, que tendenciou o titulo, mas foi por amor (eu jurooooo 🙈🙊) ashaushaushaushu 

domingo, julho 17, 2016

Ninguém está tão preocupado com você, além de você mesmo!

   Sim, você chegou no momento importantíssimo da vida, esse em que a gente descobre que se não formos por nós, ninguém será. 
  É o momento em que as pessoas que cuidavam de você passam a precisar dos seus cuidados. Os papéis se inverteram e a responsabilidade agora é sua (ou pelo menos está começando a ser).
Sim, as contas agora também chegam com seu nome, completo, igualzinho na época do boletim. A água, a luz, o gás, o cartão de crédito e mais umas mil coisas com datas de vencimento (datas de vencimento são aterrorizantes).  
  Sim, os seus amigos também já não estão tãoooo preocupados. É que eles estão lidando com suas próprias vidas, as contas, a carreira, suas famílias, os relacionamentos... são prioridades. Você não vai querer disputar com nada disso, você vai perder, eu lamento!
  Sim, você vai se sentir preso naquele ciclo: "Tudo precisa de mim, enquanto, eu preciso de tudo". 
  Também sinto informar isso, mas esse problema é todo seu. E você tem por obrigação lidar com isso. 
  É sua obrigação cuidar da sua mente, alma e coração (e ainda tem que lavar louça! Um absurdo!!! Porém, real). AAH, sem contar na carreira, claro! Você precisa dar um rumo a essa altura, você precisa se formar agora, logo, para ontem! E ser bem sucedida(o) amanhã de manhã. 
  Sim, você vai disputar a "vida" com a galera do currículo extenso incluindo: cursinho, inglês, intercambio na Europa; Asia e America, 12 horas livres para estudar, "cansado demais para dirigir"  e o perfil puxa saco da torta (Não conhece? É aquele que faz de tudo para se destacar, inclusive, ganhar os chefe pela barriga, sim ele puxa o saco do patrão e seu tapete, por tabela!).

  Em resumo, no final do dia, depois de ter perdido 5 horas em transportes públicos indo e vindo dessa sua vida muito igual a de todo mundo te sobraram 10 horas para estudar, comer, fazer exercícios e dormir - não, não tem ninguém com pena de você a vida é isso mesmo. E, no final de semana você precisa ter a certeza de que vai da tudo certo. Não espere conselhos familiares tudo que eles tinham para te dizer foi dito até o seu decimo quinto aniversario, dali para frente é só replay. Seus amigos, como dito anteriormente, não tem tempo para sua choradeira, os poupem disso. 

  Eu concordo que isso tudo é muito dramático, absurdo, obsoleto, louco, mas me diga se não é verdade?! Talvez não seja a sua, nem a minha, mas é uma verdade comum. A aceitação de que a vida é unica, dolorosamente indispensável, intransferível, blá, blá, blá, é um processo fisioterapêutico!
(Sim, aquela parada de vida compartilhada é ilusão, vocês sabem, né?)

  No final das contas (inclusive as que você ainda não pagou), a cabeça no travesseiro que pesa, é a sua.  No fim de tudo você vai sentir o peso nas costas de ser nessa vida, exclusivamente, você mesmo. Das contas pagas e à pagar, da roupa que precisa usar para não passar vergonha, dos compromisso escritos na agenda, do horário do ônibus, de passar na padaria, de ligar pra sua tia avó e desejar parabéns, de ler duas paginas de um livro, de todos os outros compromissos que você já sabe e, se sobrar um tempinho chorar por ter esquecido de comprar o leite... No final do dia qualquer motivo é motivo para desabar por dentro ou por fora.


Cabe a você lembrar: "Tudo precisa de mim, enquanto, EU PRECISO DE TUDO!"
                                     




Por: Bianca Reis, que não sabe cozinhar e nem puxar saco, mas costuma ser honesta e precisa de bastante coisa também ;) 

domingo, março 27, 2016

Cronograma.

Era um domingo, quando ela descobriu pela bilionésima vez que estava errado sobre perdão.
E foi em uma sexta feira em que recebeu uma ligação que estava esperando fazia uns meses. 
Aquele domingo foi a descoberta do próprio erro, de como não se deve doar o coração quando se conhece os caminhos, quando já se sabe que o amor não tem espaço e já não pode curar, onde companheirismo não tem vez, onde a verdade não existe. Já aquela sexta feira foi a oportunidade, que estava esperando para se sentir completa de fato, era o que faltava para relembrar os planos, reavivar os sonhos, reacender o que se tinha escrito para o futuro e estava se apagando na rotina...

Mais para frente, em um sábado qualquer foi galgar mais um lugar (é que o coração vazio abre espaço demais para outras coisas e a conquista tem um gosto ainda melhor nessa situação).

Toda segunda feira era uma tortura ou parecia ser até o começo daquela temporada. Ela tinha perdido o tempo, mas havia ganhado algo que sempre amou: o sentido. Tudo parecia real demais, sonhar nunca tinha sido tão prazeroso, acreditar na própria capacidade tinha ganhado uma força sem explicação...

Ela me disse sentada naquele bar em plena quinta-feira que estava transbordando e eu acreditei, não havia como duvidar. O olho brilhava demais, ela nem conseguia falar, e mesmo quando dizia que estava difícil era como se a dificuldade também fizesse parte das maravilhas daquele "novo mundo". Ela estava rindo mais, confiando mais, com umas olheiras e o cabelo vez por outra bagunçado, mas me parecia feliz demais para se importar.

Toda terça feira tinha um cronograma e ela amava cronogramas. Aquele jeito metódico assustava e atraia. Era como se ela soubesse de tudo o tempo inteiro (e ela de fato sabia). Começava nas terças para ter a certeza de não cair no engano que as segundas costumam apresentar...

A vida envolve todo mundo com essa coisa de começos e términos e tudo isso é doloroso, a  gente vive se arrastando até entender como funciona o tal do recomeço, é complicado ter que reorganizar, desacreditar em tudo que a gente achou que fazia sentido, que existia conserto, que seriamos capazes de corrigir e não são consertáveis muito menos corrigíveis. É estranho aceitar que as coisas passam ou que ela nunca estiveram. É difícil viver a agenda dos outros se elas não coincidem com a nossa, nem todo mundo sonha tão alto, nem todo mundo conhece o limite, nem todo mundo tem coragem de ULTRAPASSAR LIMITES, nem todo mundo tem coragem de VIVER. 

Sobre as quartas feiras (você deve estar se perguntando), eu também não sei dizer. Mas ela desaparecia, provavelmente estava transcendendo na própria loucura que tinha se tornado os dias, as semanas e o resto da vida que estava no cronograma. 



Por: Bianca Reis, que é virginiana, "cronogramizada" e ama saber que a vida ta lotada de coisas que dependem dela :) 

domingo, março 20, 2016

...

A cada esquina existe alguém gritando por socorro.
Talvez o seu amigo, sua mãe, professor, colega de classe, aquela pessoa que parece estritamente feliz...
A vida é cruel com a grande maioria das pessoas, a vida é cruel conosco,  a vida é cruel contigo e comigo também...
A vida tem sido cruel cada vez que poe a prova o que devemos fazer de nossas vidas. A vida é cruel quando nos tira alguém, assim como é cruel quando não nos presenteia com companhia que parece faltar. 
A vida é cruel quando não nos permite desistir, cruel quando quer que sejamos mais fortes do que somos, a vida é cruel. 
A vida é cruel pois nunca nos dá nada sem que tire de nós muito mais. 
Parece egoismo, choradeira, drama, estranheza, novelismo, mas a verdade é que a vida é cruel. 
Cruel com quem sonha, com quem espera, com quem deseja. A vida vai ser cruel sempre. 
Você sabe que a vida é cruel quando tudo lhe aperta o coração, quando pensar nas escolhas feitas lhe causa dor, quando o seu corpo e a sua mente já não estão em sintonia. Você descobre que a vida é cruel quando sente medo da sua vida. É a sua vida sendo cruel porque nem ela suporta a crueldade de ser assim. 
Eu percebi que a vida era cruel quando sentei com ela no chão do banheiro e senti que a cada inspiração o meu coração pararia de bater, quando rezei pelos finais de semana não para me distrair, sair beber, mas para dormir e não querer mais ter que acordar. Eu descobri que a vida era cruel quando precisei fingir que estava feliz e que ninguém foi capaz de perceber tal mentira. Quanto mais esperarmos que os outros percebam nossas dores mais descobrimos o quanto a vida é cruel. Ninguém pode de maneira alguma perceber as nossas mentiras. Continuamos mentindo, as pessoas continuam acreditando, nós seguimos vivendo essa coisa cruel que é viver...


Por: Bianca Reis, que grita em silêncio (para não incomodar).  

domingo, março 13, 2016

Quando fui mais do que deveria...

Texto de Jey Leonardo.Visto na pagina no facebook "Um Papel".
  Quando os lugares deixam de lhe pertencer. 
  Quando os conselhos dados aos amigos se repetem e você já não quer mais ter que dizer.
  Quando a insistência para que você seja ou faça algo que já não lhe pertence consome seu coração e a vontade é ir embora.
   Quando sentimos que só somos importantes quando já não existem mais opções. Quando a família foi viajar, quando a irmã se mudou, quando o namorado resolveu dar um tempo, quando você é a única que sempre diz sim para os passeio... 
  Todo desejo sobre essa posição secundaria em que colocam a nossa vida é de fazer uma mala e começar de algum outro lugar onde alguém perceba que você também sente dor, onde seus silêncios sejam significativos, onde a sua presença não seja exigida ou ilustre quando quem o convida precisa de algo que você possui, seja isso o que for: uma palavra, um conselho, uma companhia, uma roupa, dinheiro e até mesmo a presença (que só foi notada por já não ter mais a quem procurar). E você, talvez me pergunte se não são essas coisas que compõem as escolhas das pessoas que nos acompanham e eu lhe afirmo: o que define quem está do seu lado é a sua necessidade dela estar ali em qualquer que seja a circunstância, é quando o bem estar dela é tão importante quanto ao seu, quando desconfiamos do silêncio, quando sabemos os motivos.
   A nossa alma desfalece cada vez que notamos essa falta de necessidade que representamos...     Mesmo quando sabemos que as coisas mudam, que tudo na vida passa, que nada é eterno, mesmo o que é bom padece a se esvair. Que não somos de fato nada, nem ninguém, além de passagem, personagens, páginas na vida das pessoas algumas delas com mais participações e outras apenas citações, chegamos em um momento em que já não queremos mais citar que somos coadjuvantes, queremos entender o espaço protagonizado por nós em nossas vidas e na de terceiros. Queremos conhecer a nossa importância, queremos ter importância, precisamos da certeza de que somos alguém nesse espaço.
  Chegamos no momento onde duvidamos das nossas escolhas, dos nossos amigos, da posição dos móveis, dos discursos, dos concursos, do latido do cachorro...
  Chegamos no momento em que queríamos estar inertes, que o tempo parasse e que pudéssemos analisar com mais calma essas escolhas todas pq, tudo já deixou de fazer sentido, a maré tem te levado ao fundo e a única certeza que todos nós temos é de que no mar do mundo: NINGUÉM SABE NADAR.



Por: Bianca Reis, que costuma se esconder na tentativa de conhecer quem está disposto a procurar!  

domingo, fevereiro 14, 2016

A VERDADE DEMORA MAS CHEGA SEMPRE SEM AVISAR!

Quem quer fica!
Curte.
Comenta.
Compartilha.
Senta na mesa, bebi, ri, abraça, beija, beija de novo, beija outra vez, dança, sonha, vive... volta para mesa dos amigos e  demostra ali, no simples, no básico, rápido, que tudo que é real se perpetua no que está visível aos olhos. Quem quer não mente, não esconde, não tem medo. Quem quer "quer" e ponto final!

Imagens da internet
Foi quando a amiga de infância dele me falou "Não vale a pena, minha flor. Todo amor que você tiver não vale a pena. É uma pessoa que não vale o esforço" era ali que eu, ingênua, deveria ter aceito o conselho, mas a gana de querer fazer alguém melhor nesse mundo alavancou a insistência e, por consequência, ter arrastado uma historia que nunca terminou. Um câncer que coroe a alma e os dias.

É essa vontade de ver alguém melhor, é esse desejo de mostrar que a vida tem outro aspecto, outro modelo, outro lado, outro sentido que me fez estar ali até aquele momento. Chorando as dores, confiando... orando... bem querendo...

Por mais uma vez o conselho me veio a cabeça "NÃO VALE O ESFORÇO" e mais uma vez eu percebia quanta verdade havia naquelas palavras. Existe um cansaço físico e emocional que nem todo amor do mundo é capaz de curar. Deus conhece cada pedaço do nosso coração e de todo bem que nele existe. Deus conhece a nossa alma e toda propriedade que a ela pertence. Deus conhece a nossa força e entende os nossos motivos. Que a nossa vida entenda que o que vem para ficar, FICA! E o resto tem mais é que passar. 


Por: Bianca Reis, que por mais dor que sinta so quer saber de quem fica :P