Passaram por aqui ... ;*

quarta-feira, dezembro 05, 2012

Recordações. Parte 2

    E com o tempo parei para observar as diversas definições das pessoas sobre o amor. Dentre tais filosófias, umas se cruzam, outras nem tanto, porém, acho todas inexatas, distantes, cheias de reticências e incertezas.
    Confesso que acho bonito essas tentativas de explicar tal sentimento, ainda que com a sensação de que as palavras sejam insuficientes. Acho atraente aqueles que conseguem ultrapassar certos bloqueios só pelo anseio de gritar ao mundo como se sentem diante ao amor. É isso, acho atraente pessoas corajosas, que assim como eu, em algum momento da vida (ainda que curta), demonstram coragem o suficiente para deixar de lado seus medos quanto ao amor e reafirmam a necessidade de viverem tudo que ele é capaz de fazer como: inverter teus conceitos, tirar tua razão e todas essas coisas que parecem loucura e realmente são.
    Gosto do jogo de apostas que o amor nos obriga a entender. Pessoas que apostam em uma possivel felicidade que talvez sempre tenha sido cultivada, no intimo de cada um. Ainda que incertas.
    Bonito é a coragem de admitir que parecer frio de sentimentos é tão mórbido que deixam seus dias cinzas, enquanto há um céu azul e vasto lá fora, enquanto há corações dispostos a viverem uma intensa histórias que seus netos com certeza adorariam ouvir, histórias que custariam o suspiro de muita gente.
    Amor não só existe para compor um "Felizes para sempre". Acredito que o amor exista para traduzir um "E foram felizes todos os dias", independente de quantos dias esses dias durem.




- Bianca Reis.

sexta-feira, novembro 16, 2012

Recordações. Parte 1

      Geralmente não gosto de parecer idiota, mas, gosto de parecer simples, o que me faz agir com simplicidade (sem me importar muito com alguns detalhes). Conto piadinhas sem graça, costumo rir de coisas sem noção, não ligo para o cabelo bagunçado, falo besteira etc etc etc e essas coisas me fazem parecer idiota. Nunca gostei de ser o centro das atenções, a mais inteligente ou a mais bonita (e nunca fui). Nunca gostei também de ostentar nada, ainda que tivesse todas as caracteristicas perfeitas para realizar tal vontade, nunca o fiz. (Me refiro ao possível e único talento). Nunca fui de querer falar difícil ou sei lá o que, ainda que saiba fazer isso com tanta facilidade quanto respirar. (E não, não é uma atitude presunçosa da minha parte).
       O engraçado é que nem sempre fui assim, quase sempre fui ríspida e despreocupada (com o próximo), por muito tempo fingi não sentir certas coisas ainda que as mesmas me corroessem por dentro. Me achava fria, e talvez fosse, me sentia mal por ser assim. Escolhi.  
      Mudei, me machuquei, e traduzi que não tinha valido muito a pena...
      Mentira, valeu sim, me machucar me fez crescer, me fez ver o quanto é bom amar as coisas e as pessoas, o quanto é bom ser quem eu sou, ainda que para isso tenha que continuar parecendo ser idiota  =/ rs'. Sentir, demostrar, retribuir e perceber o quanto é bonito ser verdadeiro. Apendi algumas coisas sobre o amor e sua plenitude também, mas isso são outros quinhentos que pretendo comentar outra dia. Por hora é só o resgate de um ou duas certezas que espero que cresçam assim como minha esperança na mudança verdadeira de alguns corações que me rodeiam...


                  Bianca Reis

segunda-feira, agosto 20, 2012

Em nome da saudade.

  E os meus dias tem sido mesmo assim.
  Convivendo com a saudade e a vontade insana de te ter por perto, de te pertencer...
  E ainda que acordada me pego perdida  lembrando dos seus olhos e da sua voz tentando me explicar o quanto as minhas loucuras te fazem feliz, me encontro sorrindo... sozinha.
  Nos últimos dias meu coração vem gritando e sentindo a sua falta como nunca havia sentido antes.   O seu perfume me sonda no meio da noite e volto a sonhar querer cuidar de você, te ouvir, te entender...
  Mais um suspiro, e depois de horas, perdida em meio a nós, desperto e percebo que já não nos pertencemos  mais ou nunca nos pertencemos antes.  Dessa vez, aperto um pouco os olhos na tentativa de tentar te achar e presentear meu coração com a sua presença em memórias que outrora deveria ser amor, e agora me pergunto se algum dia vou me perdoar por querer te amar assim de tão longe...


    Bianca R.

sábado, julho 14, 2012

Verdades de um inverno.


     Pra ser mais exata eram 02h07min da madrugada. Tinha muita coisa pra ser dita - ele estava lá, como se esperasse ouvir aquele discurso - Na verdade todas aquelas palavras já estavam guardadas há muito tempo, sendo elas adiadas a fim de encontrar o momento certo de chegar aos ouvidos, e quem sabe ao coração, do destinatário. Achou incrível o tamanho do seu romantismo naquela noite, não era natural.
      Era mais uma daquelas noites geladas de mais um inverno pesado e cheios de mistério que jamais saberia como desvendar, era uma brisa leve e continua que trazia com ela todos aqueles sentimentos que fingia não sentir. Cogitou o erro. Era tolice alimentar aquele sentimento, pensou. Ainda que houvesse tentativa de cativar não era reciproco. Não conseguia sentir aquelas emoções chegarem até ela do mesmo modo que a brisa daquela estação a encontrava... Tão depressa.
      Aquele coração que por muito a implorava por atenção e carinho estava enganando-se e convencendo-a á viver aquela mentira com ele. Ela optou por errar. E como nunca tinha acontecido antes, passou a não saber o que dizer perdeu as palavras e as opiniões, os discursos prontos tinham esvaindo-se, as falas firmes, tão convictas. Havia se perdido. Passara a desejar o corpo, a sentir o cheiro e a ouvir aquela voz... Desejava-o ansiosamente, por inteiro, aquele que por muito sabia que há ela não pertencia, ela sabia que seria usada pra camuflar um sentimento do passado/presente que ele insistia em não revelar que ainda o rondava. Não era ela que iria o preencher, o completar, entender e até mesmo o faria feliz. Ele mais que ninguém sabia de tudo aquilo.
     Ainda assim ela sonhava acordada com aquela vida de ‘mentira’. O presente: meio torto, algumas falhas, muitas escolhas, paciências, mudanças, desejos (uma pena haver somente desejos, era preciso mais...), além de tudo, esperançoso. Um futuro: Sonhou com a felicidade, talvez ela o completasse, sem brigas banais, os amigos, os livros, café, eles dois... Juntos. Reparou também coisas do passado, naquele tempo em que sonhará, reparou alguns erros. Erros. Eram perfeitos um pro outro, porém não se pertenciam e iam se machucando no silêncio e nas palavras educadas. Sem avanços. Sentiu passar as estações seguintes, lembrando, querendo, escondendo desejos.  Chegará mais um inverno ainda mais frio que o anterior trazendo aquilo que ela já sabia, jamais o esqueceria.
  A partir dali continuo o desejando, porém respeitando o sentimento daquele coração que não se respeitava, vivendo e repetindo pra si mesma e tentando convencer aquele que ignorava o próprio sentimento “Não amar para esquecer, mas esquecer para amar...”.

Bianca Reis.

Nada como o tempo.

    Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquele alguém que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente não é o "alguém" da sua vida. Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. O segredo é não correr atrás das borboletas... é cuidar do jardim para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

 

           Mario Quintana.  

quarta-feira, junho 27, 2012

Cúmplices...


   Por apenas sermos o que queríamos, nos completávamos  na forma mais doce de ser, era simples e intenso, chegava a doer  quando silenciávamos e ainda assim sabíamos nos desculpar partindo do nosso próprio silêncio.
   De fato muitos empecilhos existiam, mas o desejo de completar e confidenciar segredos eram maiores que qualquer ‘regra social’.   Conhecíamos  os gostos e segredos um do outro, particularmente jurava que o conhecia até mais que a mim. Eram confidências de alguém que sempre soube cuidar e entender ainda que muitas vezes o tivesse machucado. Admito, fui inconstante por tantas vezes que hoje entendo os motivos dessa distância que consome a minha alma como se não houvesse remédio. Lembro-me da sua paciência com minhas questões imbecis e das suas respostas ainda piores, eram sorrisos fáceis e discussões acirradas pelo conhecimento musical mais apurado, não tínhamos o que disputar... Era um ciclo de complemento que nos envolvia numa harmonia doce de se ouvir... De dançar... Dançávamos por pensamento, em sonhos e suspiros... Suspirava, a cada demonstração de carinho que me eram cedido com tamanho apreço.  Como era bonita  a nossa cumplicidade e fazia bem saber que tinha uma parcela dele comigo 24 horas por dia. Fiz-me criança e menina crescida nessa transição, mudei e reinventei muito de mim.
  És me aqui olhando por uma janela que mostra tanto de um tudo que pouco vivi, vendo a transição do dia para noite e lembrando dos detalhes da nossa amizade que se perdeu no meio do caminho, que parece ter esvaindo-se mas que ainda me pertence, nos pertence e se renova ainda que distante, que frágil... superficial.

          Bianca Reis.

sexta-feira, junho 01, 2012

Sem sentido.

    Pessoas invejosas seriam cômicas se não fossem trágicas. Sabe essas que o sorriso 'alheio' encomoda, que o relacionamento 'alheio' ofende?! Eu sinto dó dessas pessoas, só pensam em sugar e derreter o que existe nos outros (tentativas geralmente frustradas). Observo a distância, uma lástima.

 

 

               Bianca Reis . 

sexta-feira, maio 25, 2012

2 para 1

     Já não sinto mais nada.
    Nem saudade ou esperança. Já não sonho mais, nem planejo o futuro para nós, decidi esquecer ou melhor, esqueci. Não por que desisti mas só não mereço tanta falta de compromisso, tantas entrelinhas, dúvidas, falta de coragem.
     Cansei das frases feitas e das indesições. Comigo é sempre 8 ou 80, agora ou nunca mais, tudo certo ou nada feito. Sem tempo pra terceiras opções ...

quarta-feira, maio 23, 2012

Chuva, frio e amigos que moram longe.

     Outono/Inverno chove pra caramba a cidade fica um caos, estudar/trabalhar sob um frio é um massacre (principalmente se for pela manhã u.u) nessa época as pessoas engordam, a preguiça aumenta e todo mundo fica exageradamente CARENTE, mas ainda assim eu gosto de chuva  =).
      Não que eu goste de engordar, nem de parecer preguiçosa muito menos de parecer carente, porém é uma parte do ano em que as simplicidades aparecem. Filme com os amigos (ou com o namorado), carona no guarda-chuva rs', rir como única solução dos efeitos das chuvas e ventos impiedosos que detonam o seu dia (tá, foi meio dramático mas, ok!).  As conversas são mais calmas, o tempo frio parece longo, distante, dulcificador.  O frio é solitário como cada problema que aparece pra gente, ainda que interligados uns aos outros só se pode soluciona-lós um por vez, o frio meche com todos os sentidos... com a saudade.
      Em uma dessas noites em que o mundo se acabava em chuva (ok! mais um drama ;x) entre funções quadráticas, ímpares, pares e etc, me peguei pensando nas pessoas que moravam longe de mim e o quanto ainda que distantes elas me fazem bem. Admito que seja meio ingrata não costumo ligar, nem mandar cartas (gosto de mandar cartas ou gostava até um tempo atrás, não sei) mas ainda assim lembro das pessoas como se as observasse todos os dias, guardo o sorriso de cada uma pra mim de uma forma sincera ainda que egoísta.
     Mesmo me esforçando pouco para estar "perto" de quem está longe, eu faço o máximo pra eles perceberem que eu tenho um carinho tão grande que as vezes nem cabe em mim. Eu intensifico amizades com o passar do tempo nunca tive uma amizade que começou de um jeito e continua do mesmo, minhas amizades se elevam, se enchem de 'mi mi mis', intimidades e verdades incontestáveis cada um diferente e particula r.Isso tudo me acalma e conforta saber que tenho verdades incondicionais todo instante.
      Começou a chover novamente... o meu café está aqui: quente e amargo. Estou lembrando de alguns amigos que estão longe e outros que mesmo perto estão longe (confuso, porém real). Vou sentir a chuva, talvez só olhe pela janela e provavelmente cante e venha a sorrir entre as frases que me farão lembrar de cada um dos meus tão queridos ainda que remotos amigos que a chuva da vida me concedeu.


                     Bianca Reis.

terça-feira, abril 24, 2012

 Geeeeeeeeeeeente  o blog, esta em reforma , vim avisar né ! rs' Os seguidores estão ocultos (pra quem visita), o lauyot sumiu '-', enfim o blog recebeu uma entidade e esta todo fora do lugar kkkkkk'. Sem tempo para resolver isso estou tentando achar soluções, pretendo resolver logo mas enfim o conteúdo continua acessível e provavelmente venha novidades por ai *-*
             
                Continuem curtindo e espalhando suas luzes por ai ;*

segunda-feira, abril 23, 2012

Erros que cometi...

    Que vontade de sair gritando aos quatro cantos do mundo. Loucura talvez.
    Mas gritar o que afinal ? Já que tudo que vem passando em minha mente são somente notas soltas de uma historia mal contada, mal resolvida... mal vivida.
     Sorrisos falsos e declarações mais que artificiais. Uma pena, foi dessa vez que escolhi ceder, ser diferente, ser apaixonante, doce diferente do que sempre fui. Dessa vez eu quis viver diferente experimentar o novo, o conto de fadas. Nessa recente tentativa decidi ir contra as minhas verdades de que príncipes não existiam (eles não existem de fato), amor entre duas pessoas é meramente interesse (sem querer destruir o sonho das românticas mas, ok!), esqueci minha tese de que as pessoas te envolvem por necessidades pessoais (excerto aqueles que te curtem de verdade, que ainda assim no principio estão interessados em algo que você tem a oferecer) enfim esqueci um monte das minhas observações quando aos seres humanos impiedosos e malvadinhos.
   E foi assim nesse exato momento, no momento em que fui contra a tudo que sempre acreditei que me machuquei da forma mais doentia que se pode imaginar, você deve estar comentando "nossa ele deve ter chorado horrores por dias, que louca ", mas não foi por isso exatamente. Foi louco por que me envolveu, me conquistou, me levou pra longe e ainda assim apesar de tudo não chorei, não bate ou chinguei, não discuti sobre o que senti quando percebi que convivi com mentiras , foi louco porque percebi que não fui capaz de sentir nada em meio a esse furacão foi o fim que me fez pensar no inicio no motivo de ter mudado de ter decidido ser diferente.
   Pensei mais um pouco e cheguei a conclusão de que apesar de ter cedido pro meu coração (com a consequência de ter apanhado rs'). Não mudei tudo, não mudei de verdade, quis ser diferente,  quis tentar forçar uma barra que não era pra mim, por isso não explodi! Descobri que a culpa de ter acontecido do jeito errado é que as vezes a gente não sabe ouvir o que nós mesmo temos a nos dizer  e se ignorar é o pior dos erros, fingir que não sabe sobre o óbvio é burrice (tem palavra mais certa que essa?).
    Mas aprendi que nunca vou ser diferente nunca vou buscar os príncipes nem acreditar em palavras melosas (nunca acreditei nisso), despenso os cabelo bem penteados e as roupas tons sobre ton, sempre vou escolher minhas roupas pelo meu humor, sempre vou chingar quando achar que devo. Nunca quis ser princesa desde, sei lá, sempre k- e 90% de mim tem os pés no chão e quero continuar assim vivendo dos meus sonhos (os 10% são mais intensos e todos bem escondidos dentro de mim) pra sempre, ainda que seja breve.




                              Bianca Reis  

sexta-feira, abril 20, 2012

Sortei no site Carolinices Literárias do livro "Um coração cheio de estrelas" da Editora Lua de papel , eu quero muito ganhar, né ! A minha velha paixão por livros sempre me induz a buscar dessa fonte enfim que se interessar segue, participa, visita vale super a pena.  *-*

Link: http://www.carolinicesliterarias.com/2012/04/sorteio-um-coracao-cheio-de-estrelas.html

quarta-feira, abril 18, 2012

Nem tudo é fácil

É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste.
É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada
É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre.
É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia.
É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.
É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo.
É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.
É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.
Se você errou, peça desculpas...
É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado?
Se alguém errou com você, perdoa-o...
É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender?


Se você sente algo, diga...
É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar
alguém que queira escutar?
Se alguém reclama de você, ouça...
É difícil ouvir certas coisas? Mas quem disse que é fácil ouvir você?
Se alguém te ama, ame-o...
É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz?
Nem tudo é fácil na vida...Mas, com certeza, nada é impossível
Precisamos acreditar, ter fé e lutar
para que não apenas sonhemos, Mas também tornemos todos esses desejos,
realidade!!!

                                        Cecília Meireles.  

terça-feira, abril 03, 2012

O soar das questões...

          Sabe teimosia ?! Somos assim ! Sabias que nunca, por hipótese alguma sairíamos bem dessa historia mas o que fizemos né verdade?! Insistimos, desejamos tudo isso como se fosse a ultima chance de nossas vidas. Essa precipitação deveria nos ter trazido sonhos e realizações, certo?!   O que ganhamos afinal ?
     Eu posso afirmar que te ganhei ! Ganhei seus olhos e sua essência, seu respeito e sua face diante a minha por uma vez, ganhei um beijo -na verdade mais de um- que amei receber como se fosse um tesouro que tiverá acabado por descobrir, um prêmio único e por hora só meu, ganhei também abraços que me pareceram sinceros e protetores. Espero ter te proporcionado lembranças assim como você me ofereceu, quem sabe.
      Talvez um dia sentaremos e conversaremos sobre os detalhes que fingimos não ver hoje. Talvez daqui a uns anos seja a hora de acontecer, o simplesmente não seja. Amizade... pensei em te questionar se não seria melhor mas há um desejo bem maior além dos olhos que me fazem querer bem mais , não te darei ideias em que possa me arrepender, esperarei em silencio pelo tempo, pelo que é nosso ou só pela passagem de um desejo intenso e que teima incessantemente por nós.

                                          Bianca Reis

domingo, março 25, 2012

       Ser frio é relativo. Não sou obrigada a lhe dizer só o que quer ouvir, nem de me derreter pra tudo que todo mundo diz , não nasci portadora do amor do mundo todo, nem com índice de hipocrisia elevado, então se eu tiver que chingar na sua cara não espere menos que isso, não mudarei por ninguém. Quem aceitar bom, quem não aceitar peço encarecidamente que não gaste meu tempo com meias explicações.
 
                                                                          Bianca Reis. 

quinta-feira, março 15, 2012

Sabe quando você lembra que nunca exigiu/sonhou/quis nada e compara essa lembrança com o fato de agora desejar só mais um detalhe que pode mudar sua historia e perceber que não pode ter?! E esse egoísmo que a vida te faz passar, que te deixa cada vez mais distante daquilo que a maioria do mundo sempre foi, frieza não se escolhe, infelizmente se conquista.

                             Bianca Reis.

sexta-feira, março 09, 2012

Não há dor maior, quer estar sendo colocada a prova a cada instante, do peso que se tem na vida de alguém...
                                                                       
                                                                                Bianca Reis.

quinta-feira, março 08, 2012

   Cansei!
   Cansei de tentar me fazer em outro eu, de tentar agradar, cansei de limitar meus chingamentos, de tentar ser atingivél e frágil, cansei do tempo que demora quando tem que passar e passa quando tem que ficar, de querer e não poder, de gritar pros surdos.
  Hoje decidi que a pausa que dei a mim mesma pra reafirmar tudo que sempre acreditei e fui, acabou! Eu sou assim não há tempo que mude (não agora). Estou feliz em saber sempre fui o que tive de ser. Enfim, cansei de deixar as pessoas verem de mim o que bem querem. Aceite-me assim ou ceda seu espaço pros próximos... Bem-vinda de volta!   E tenho dito!

                                                                                                       
                                                                                                                Bianca Reis
      Não exijo nada de ninguém a menos, que ela tenha algo que DEVA ser meu  
                                                                               Bianca Reis.
 

quarta-feira, março 07, 2012

Escuto muito pessoas dizendo que não vão se importar mais, que não vão ligar e nem querer mais em suas vidas. Que ira esquece-la, e nunca mais lembrar. Que não vão mais chorar e nem correr atrás. Queria aprender o segredo dessas pessoas, de saber mandar no coração.
 
 
   Por: Maurício Menezes.

sexta-feira, março 02, 2012



           As vezes as coisas ficam tão claras, que o brilho dessa claridade toda... cega os olhos!


                                                                       Bianca R.

quarta-feira, fevereiro 15, 2012

     Geralmente quem deve nunca percebe as indiretas mas quando essa raridade acontece ...você passa por ela, disfarça o quanto pode e ainda assim sente os pedacinhos se estilhaçando por dentro, feito vidro, tentando se condenar e cogitando arrependimento.
      Não existe arrependimento menina, existem atitudes mal colocadas, existem passados que não passaram.
E as indiretas ?!  Elas são só pra você se machucar tão doce e misteriosa menina, do jeito que você machucou as vezes percebendo, outras mesmo sem perceber, dessa vez menina, não tenha medo de viver ...



Bianca Reis 



domingo, fevereiro 12, 2012

O mais belo texto do mundo

   Era o mais belo sorriso do mundo, entre os mais ternos carinhos do mundo, e o beijo mais doce do mundo, ambos aqui letrados, narrados e descritos com a tinta mais simples que há, no papel mais comum já feito para o mais belo olhar de todos. E neste emaranhado, onde o belo e o trivial se completam chego eu a meu lugar na história.  Não assim só meu, meu eu digo a ação, sim porque estive a por o sorriso do rosto, a ganhar o afago da mão e a ser adocicado pelo inesquecível beijo.
   Sei, de absoluto, quem será a primeira a ler o texto. Sei ainda quem serão os outros, mas estes são apenas terceiros. A eles, não me dou; disponho-me apenas à primeira. Desafio-me a prever se ela, enquanto compreende meu texto, não tece um sorriso; se sim, desafio ganho, este será o sorriso mais bonito que este ano verá. É por ela, só por ela, que me ofereço de regozijo, ao não-temer o sentimento, acaso nela não venha a existir jamais. Mas agora vamos ao assunto que dá nome ao titulo do que escrevo aqui, Quanto ao texto, pode ser que o título seja pretensioso demais, haverá outros melhores, mas nenhum cuja certeza é maior do que a minha ao valer-me do papel e da tinta para escrevê-lo. A pretensão que o molda e a razão que o faz existir transformam esse texto no mais belo do mundo. E quem vier de encontro – não ao texto, mas à minha convicção ao tecê-lo – o faz porque nunca beijou lábios tão doces, nunca foi alvo de carinhos tão vivos e sequer foi observado através de olhos tão belos Àqueles, meu texto não será nada além de um texto qualquer; a outros, pode ser inspiração; a ela, será o meio de fazer seu coração bater um cadinho em compasso com o meu, quem sabe.


            Texto de:  Matheus Lima *-*

segunda-feira, janeiro 30, 2012

Eu queria saber se eu  sou só mais um joguinho ...
Pra saber se eu deixo isso o que estou sentindo crescer  ou começo a fingir que não ligo
ate sumir ...
Já fiz isso uma vez e farei de novo se preciso for...
Não minta, não engane, só não quero mais alarmes falsos eu so quero as verdades,
puras e sinceras como devem ser.
Por favor ...

quinta-feira, janeiro 19, 2012

O meu silêncio

     Queria gastar letras...
 digitar ódio em palavras,
 amor em versos,
sinceridade a cada um daqueles que me ama que me entendem que me querem bem e também para aqueles que encomodo que proporciono desconforto, aos que me despesam.
    Queria saber dizer com detalhes ,todos os detalhes que percebo em silêncio,
no silêncio que me cerca,
no silêncio que eu ganho,
que eu faço,
que eu acho, 
que é meu!
     Queria acreditar nas palavras no sentido delas e na simples possibilidade da verdade.
   Ainda quero acreditar que posso ser um pra completar, acrescentar, ser indispensavél ser amada e querida sem incômodos que pelo menos um, necessite de mim como um desejo bom
que não dependa, 
que não se prenda
somente se renda ao desejo de estar presente no meu presente.