Passaram por aqui ... ;*

sexta-feira, outubro 25, 2013

Desejo de todos os dias.

    Quem será capaz de entender que me ligar de madrugada para, sei lá, ouvir minha voz e me convencer de que é isso que vai deixa-lo feliz, também me deixaria feliz.
    Depois de um dia daqueles, que as horas demoraram para passar, você não conseguiu se concentrar, seu chefe encheu o saco, a condução demorou e no meio do caminho o tempo resolveu contribuir e choveu, tão forte quanto as dores sentidas pelo corpo e você derrotado pelo dia desiste de abrir o guarda chuva e se molha, chora, e cronometra como que os próximos segundos serão vividos. Sapatos na varanda. Toalha. Bolsa em qualquer canto mais próximo. Chuveiro. Café. Sentada no sofá. As pernas doem, a saudade doí também. Cama, espera, ânsia pelo que seria incrível acontecer, ela sabe que não vai acontecer, mas ainda assim espera, espera, espera, e acaba adormecendo junto com o desejo. Amanhã. Outro dia.Outra historia. Outra expectativa. Outros ganhos. Outras dores, mas sempre... o mesmo desejo.
 

          Por: Bianca Reis, que nunca abre o guarda chuva em dias difíceis.

quinta-feira, outubro 17, 2013

Ao infinito... e possivelmente, além!

      Tenho o coração mais doce do mundo. Apesar do que passei e senti. Sempre busquei o melhor para mim e sempre doei o melhor de mim, ainda que muitas pessoas acreditem no contrario. Não quero escrever para ninguém e espero que ninguém se interesse em ler essas palavras, estou tecendo-as com dor, aflição, saudade e tantas outras coisas que me tem sufocado o coração.
     Provavelmente este texto ficará pela metade, ele nunca findará, nem aqui, nem dentro de mim onde estou escrevendo a algum tempo. Sinto saudade do que deixei para trás, deixei de cultivar e tive medo de permitir fazer parte da minha vida (não fui tão doce nessa época, confesso). Hoje, que tenho o coração mais afavel, sei, que certas dores são invitais e fazem a alma elevar-se e encontrar-se em meio a todo resto, equilibrar-se.
    Assim com toda está açucarada maneira de ser, tive a oportunidade de adoçar vidas e sinceramente, não sei se deu certo, mas com certeza  impactei corações amargos, senti o gosto do que um dia fui, doi lembrar.
Sempre paro nas lembranças e como era de se esperar, esse é mais um texto que vai ficar pela metade, parte 2,3,4 ou mais, que nunca serão lidas, talvez, não por completo, possivelmente não serão escritas isso dependerá do vivenciar de um coração doce em meio ao amargo da vida... e desse intermináveis dias.




  Bianca Reis, uma ex atual amante das próprias escolhas.

Uma conversa, um conto...

Para mim, as melhores conversas são as mais simples, daquelas que você não precisa pensar muito para responder ou precise ficar criando a resposta que o outro espera ouvir, você simplesmente responde o que tem que responder, por que é aquilo que você quer dizer, mesmo as idiotices mais absurdas, enfim, esqueçam as conversas automáticas, robôzinhos.