Passaram por aqui ... ;*

domingo, fevereiro 22, 2015

Sobre: Escolhas!

 Precisamos acreditar em nossas escolhas!! Sim é isso mesmo, acreditar no que escolhemos.
 Eu escolhi os domingos para escrever, escolhi Engenharia Civil para ser o rumo da minha vida, escolhi que cantar é meu talento oculto, escolhi meus amigos e escolhi acreditar nas minhas escolhas.
 Tudo que decidimos pode dar certo ou errado são dois resultados alternados que nos levam para frente ou nos deixa estabilizados onde estamos.
 Eu vi alguém escolher o(a) novo(a) namorado(a), por exemplo, e basear seu novo relacionamento de acordo com o seu anterior, eu vi essa pessoa fazer da escolha um  jogo de vantagens, eu vi também (porque sou especialista em ver com o coração já que, com os olhos mesmo sou míope e hipermetrópica) a infelicidade tomar conta dessa pessoa, eu vi que ele(a) não decidiu namorar uma nova pessoa, ele(a) apenas não foi/está sendo capaz de conviver com o fato de ter escolhido: "Por que eu decidi ter um novo relacionamento? Por que nessa hora? Por que eu escolhi? Eu estava tão confortável..."
 Você estava e precisou deixar de estar. O nosso coração não se instabiliza meus amores, o nosso coração pulsa, forte, arrítmico, descontrolado, descompassado e as nossas escolhas, mudanças, renovações é que fazem do nosso coração e vida algo interessante. Você escolheu sua nova namorada e um relacionamento menos piegas, porque a sua alma precisam dessa escolha. Já você, escolheu estudar artes cênicas porque é muito melhor atuando do que em biologia. Você escolheu trair porque... porque é babaca mesmo. Eu escolhi crescer, para frente, para cima as vezes para os lados (sou pouco fitness, confesso) e,  simplesmente, tenho crescido. Acertando, errando e, principalmente, ESCOLHENDO e escolhendo de novo, e querendo mais, as vezes voltando atrás porque escolher e "desescolher", também, é escolha, apostando nas minhas decisões, acreditando nas minhas orações, respirando fundo, gritando por dentro, chorando, sofrendo, sorrindo, saindo... acreditando na minha capacidade de administrar os meus dias, a minha profissão, a minha vida acadêmica, o meu coração (que tem me dado pouco trabalho, amém), os meus amigos (que estão me suportando)...
   Eu escolhi viver e aceitar a minhas escolhas, e acredito que todo mundo deveria aceitar também, desde que não escolha nenhuma babaquice retardatária que ameace a humanidade ou a paz dos outros (não apoio sociopatas, nem psicopatas e afins).


Imagem da internet.
Por: Bianca Reis, que tem dúvida mas sempre acaba escolhendo, que escolheu a palavra "desescolher" para representar todo um contexto sobre "voltar atrás"e que acha a palavra "escolha/escolher" estranha.

quarta-feira, fevereiro 04, 2015

Ao Norte!

    Algumas pessoas valorizam quando perdem. Tantas outras sabem do valor porém não se importam
com isso. Já outras conhecem bem o valor, mas ainda assim coloca seus amores a prova, arriscam e, geralmente, deixam escapar. Acho uma graça quem gosta de manter o que tem, quem alimenta o que sente, quem cuida, quem reconhece seus erros e melhor ainda a quem evita errar até porque errar é absolutamente normal quando não é por descuido ou falta de apreço.
    A luta para reconquistar é ainda melhor, digo isso porque vejo todos os dias nas ruas, nos diversos ônibus que costumo pegar, na minha timeline varias vezes ao dia, no meu caminho várias vezes durante os anos. A vontade de ter de volta, a sede de elogiar, de ser visto, de ter a atenção de quem se, supostamente, ama; de dizer o que deveria ter sido dito antes de perder e a consciência antes de perder (que surge da maneira mais repentina possível). Por que não sentir tudo isso antes de deixar ir? Tudo que se perdeu é difícil voltar, os rios correm para frente, em fluxo inconstante, nunca vi um rio fazer um caminho inverso os rios seguem e a lei deles é seguir em frente!
   - "Ao norte!", seu coração grita. E é ao norte que você deve ir. Valorizar certas coisas, as pessoas, os amores é olhar ao norte (e até além disso). Sabedoria é usar sua bússola e confiar em seu capitão.
Que possamos aprender a valorizar o que temos enquanto temos. Nossas vidas são águas que nem nós conhecemos, quem dirá você que ousa chegar e decide partir quando quer. Quem é você nas águas?! Que mal pilota um barco e desconhece os mares?! Sem saber das regras, querido capitão, retire-se do mar. Dê espaço a quem possa navegar ou se olhar nas águas, se enxergar ali, respirar fundo e conhecer o desconhecido.
   Que nós possamos compreender que cada um é rio/mar de si mesmo. E depois somos capitães. Nós somos o mistério e precisamos ser os curiosos, também. Seja misterioso, instigante, curioso e ousado. Valorize o que compõe pois perder o que lhe preenche é perder uma parte de si e perder qualquer pedaço é secar e morrer, padecer no que existiu é viver da lembrança da maré cheia e logo após chorar ao atracar no pier sem histórias, sem pontos, nem conto do mar que só segue ao norte.




P.S: Bianca é só o "mar", mas tem vontade de ser capitã um dia ;)